Loading...

Translate

Loading...

Pages

13 de jan de 2015

A CARNE MAIS BARATA DO MERCADO É A CARNE NEGRA

Não podemos entender, até que ponto a morte coletiva ou individual comove a humanidade?


Foi visto por todo mundo a poucos dias um ato de terrorismo que ultrajou a liberdade e o direito a vida.

Na quarta-feira (7), por volta de 11h30 (8h30, no horário de Brasília), dois homens  aos gritos de "Allah akbar" (Alá é grande) vestidos de preto, encapuzados e armados com fuzis automáticos abrem fogo na redação de "Charlie Hebdo" um dos mais importantes Jornal da França. aos gritos de "Allah akbar" (Alá é grande).

"Reações comovidas tomam conta do mundo inteiro, com o lema "Je suis Charlie" (Sou Charlie) espalhado nas ruas e nas redes sociais, bem como homenagens de chargistas em todo o mundo por meio de desenhos. Durante a noite, mais de cem mil pessoas manifestam na França e várias outras se reúnem em outras cidades do mundo, inclusive no Brasil, no Rio de Janeiro e em São Paulo".

Enfim, todas as pessoas ocupantes existentes em um mundo pseudo civilizado deve sim repudiar qualquer tipo de manifestação sejam elas de Governos ou organizações terroristas que venham a atentar contra a dignidade humana, que não respeitem, que não demostrem zelo a liberdade de expressão e a diversidade cultural de um povo. 

O que houve foi imoral uma afronta aos bons costumes e ao bem maior "a vida", mas creio que não seja só em Paris que acontecera tais fatos horripilantes, o mundo está se acabando em sangue e ninguém se reúne para protestar a respeito.

Na África, em lugares indefinidos, assassinos fazem da morte um manifesto solidário a todos.

E porque em pleno terceiro milênio em plena era cibernética absolutamente ninguém faz nada para mudar essa triste rotina onde nossos irmãos africanos e outros povos mundo a fora são submetidos a centenas de anos?

Cinco dias antes do atentado ao jornal  Charlie Hebdo na França moradores da pequena cidade de Baga no nordeste da Nigéria, quase na fronteira com Chade crianças jovens e idosos foram atrucidados mortos covardemente sem nenhuma clemencia por assassinos denominados de combatentes do Boko Haram.

Não houve chefes de Estados entrelaçando seus braços e ninguém marchou em solidariedade por eles nas ruas de alguma capital do mundo – de fato, muitas pessoas mal ficaram sabendo da tragédia nigeriana, ocorrida dias antes dos assassinatos na França. Isso aconteceu há dez dias e muitos dos corpos continuam estirados no local onde tombaram. As mortes estimadas pelas autoridades do país podem passar de duas mil – um sobrevivente afirma que não conseguiu andar por cinco quilômetros sem pisar em algum cadáver.



No domingo (11), diversos líderes africanos voaram para Paris a fim de participar da marcha pela liberdade de expressão e contra o terrorismo, apesar de muitos não terem conseguido sair na foto principal. Não noticiou-se nenhuma prestação de condolência por parte deles em relação à tragédia que ocorreu em seu próprio continente – na realidade, nem mesmo o presidente do país, Goodluck Jonathan, se pronunciou sobre o massacre em Baga.

Morte de 800 mil pessoas em Ruanda, em 1994, e de mais de 6 mil vítimas do vírus ebola, em 2014, por diversos países na África Ocidental – antes que o Ocidente começasse a se indignar com as tragédias –, o editor do jornal The Namibian, Wonder Guchu, tirou apenas uma conclusão: “É solitário morrer na África”


Ser Negro e Pobre , num mundo voltado plenamente a interesses econômicos, vergonhosamente, desde o nascituro, já se nascem condenados por crimes que não são seus, tem desdenhada sua existência,  e suas lágrimas de sofrimento, um dia inundará o mundo de remorsos por não ter feito nada para amenizá-las. Num mundo onde a cor e a condição social dar a conotação dos fatos, a carne mais barata do mercado é a carne negra.



Beto Nazário



Âme n'a pas de couleur, je suis aussi en noir
  
Alma não tem cor, por isso também sou negro.





Tenho dito,











0 comentários:

POEMAS DE BETO NAZÁRIO (VIVA, MIL VEZES VIVAM)

Um viva aqueles
que indigestos são seus nomes
a mesa de quem nos governam
um viva aqueles sem nome
um viva aqueles que mesmo farto
morrem de fome.

Fome de justiça,
fome de quem não come,
fome do homem
fome da mulher
Fome mesmo daqueles que não quer.

Dos que fingem estar morto,
torto...
mais torto de desgosto
um viva aqueles
um viva literalmente pra eles.

Mais quando expressar-se "VIVA...",
digamos um viva aos mortos
e aos vivos.
pois dos mortos,
tiramos o néctar da flor,
sim aquela flor do amor
QUE MESMO FRÁGIL,
suporta o mal,
e sacoleja o mundo.

E quando abalados pelos caprichos,
que ousam bater em nossas portas.
gritamos viva aos desalentos,
gritamos viva ao descontentamento,
que diante do vento,
visto que certamente
mudará o caprichoso tempo,
e ecoará mais uma vez o NOSSO VIVA.
VIVA...
MIL VEZES VIVAM...


Beto Nazário.

POR ONDE ANDA MEU PÁSSARO

Hoje enquanto dormia
sonhava
que de passos leves caminhava
quando de longe
um grande pássaro
me acompanhava.

E nas batidas de suas asas
simbolizavam
ilusões e angústias
maquiavelicamente incomodava.

Como sem nada
esse pássaro
derrepentemente
volta-se ao sol
e um açoite
ecoa no ar.

O encarnado passou a desbotar
os homens com telhados de vidros
com famintos interesses
negam-se a amar
negam-se a compartilhar.

E nas batidas das asas
do grande pássaro
me vi leve e confuso
através do seu voar
que mesmo junto
no arco-íris,
daltônico...
tive que me acostumar
é solitário o caminhar.

Vai amigo pássaro
e voa para bem longe
e quem sabe um dia
um dia quem sabe
poderemos nos encontrar.

E nas batidas de tuas asas
torna-ciei forte
o velho encarnado
como o azul do MAR.

"E TODOS OS ESTILINGUES VIRARAM SUTIS VIDRAÇAS."




Beto Nazário.

MULHER NORDESTINA HEROÍNA DESDE MENINA

Mulher

A Mulher Nordestina
heroína desde menina
apregada a mainha
como quem não quer nada
abnegada,
aprende a lidar
lidar com a vida,
com a vida lidar.

No entardecer do dia
bem mais tarde do que podia
aniquilada, mais não menos forte
à sorte fica a indagar
se um dia antes de morrer
como uma criança
vai poder brincar.

Nasce já como adulta
criada na labuta
o labor..é seu maior amor

Desperta muito cedim
cantando como um passarim
olê mulher rendeira
olê mulher rendar,
será que um dia
antes de morrer
como uma criança
vou poder brincar?

A mulher Nordestina
é mesmo uma heroína
desde de menina.

Nasce como uma planta
morre como uma flor
sem pétalas, sem rimas
dar seus frutos ao mundo
mais não desatina.

A Mulher Nordestina
desde de menina
é incansávelmente
uma verdadeira heroína...

Beto NazÁrio